quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Projetos de uma Biblioteca Viva

Confira o que a Biblioteca Pública de Ijuí  tem feito para chamar as pessoas para dentro da biblioteca. São vários projetos como, Exposição de Artes, Rodas de Leitura, Hora do Conto entre vários outros. Vejas as fotos que a bibliotecária e a que realiza esses projetos, Hilda Maria Pinton fez.









quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Confira os 10 melhores livros lançados em 2013

O ano de 2013 acaba em pouco mais de um mês e uma coisa que você não pode deixar de fazer é ler os livros listados abaixo. Embora seja difícil - aliás, impossível - acompanhar todos os lançamentos que ocorrem ao longo do ano, sempre tem alguma obra que, por algum motivo, acaba se destacando das demais. Top 10 com alguns dos maiores lançamentos do ano e que não podem deixar de ser lidos antes do dia 1º de janeiro de 2014.
1º A Elite, Kiera Cass




















Continuação de 'A Seleção', trata-se de um romance juvenil que narra uma espécie de competição na qual várias garotas disputam o coração de um príncipe, mas o universo em si pouco se assemelha aos contos de fadas. A leitura é fácil e envolvente, e o ritmo ágil dos acontecimentos é um dos pontos mais relevantes do texto.
2º A Outra Face do Desejo, Luis Eduardo Matta



















O novo suspense desse prolífico autor brasileiro conta a história da publicitária Fernanda Soares de Lima, cujo marido morre em circunstâncias misteriosas. Misturando drama, amor e suspense, o livro conduz o leitor pelos labirintos da crise existencial e afetiva comum ao seres humanos.
3º Filhos do Éden: Anjos da Morte, Eduardo Spohr




















Continuação da série 'Filhos do Éden', 'Anjos da Morte', do carioca Eduardo Spohr mostra as agruras que Denyel, um anjo renegado, enfrenta para executar sua missão na Terra: estudar o comportamento humano e os avanços da civilização. Misturando história, geografia e filosofia com boas doses de magia, o terceiro livro de Spohr, além de divertir e encantar, oferece uma ótima oportunidade de aprender um pouco mais sobre eventos marcantes na história humana, a exemplo da Segunda Guerra Mundial. 
4º Entre a Cruz e o Arco-Íris, Marília de Camargo César




















Livro-reportagem da jornalista Marília de Camargo César, o livro traça um interessante painel da relação dos cristão com a homoafetividade. A autora, que é evangélica, gastou dois anos em entrevistas e leituras acerca do assunto para construir o texto, que aborda, desde a homossexualidade no contexto da Antiguidade, até o embate que atualmente se trava entre lideranças religiosas e o ativismo LGBT. Livro importantíssimo, pois ensina que gays e cristãos podem conviver harmoniosamente, independentemente de ideologias e crenças.  
5º O Chamado do Cuco, Robert Galbraith (J. K. Rowling)



















Novo livro de J. K. Rowling, autora da série Harry Potter, trata-se de um romance policial, originalmente escrito sob o pseudônimo de Robert Galbraith. A verdadeira autoria da obra foi revelada pelo jornal britânico 'The Sunday Times', alavancando as vendas do livro, publicado sem estardalhaço no início do ano. É interessante observar na obra a capacidade que a autora tem de se renovar a cada trabalho, mostrando versatilidade ao transitar por diferentes gêneros temáticos.
6º Inferno, Dan Brown



















A nova aventura do professor Robert Langdon é tão surpreendentemente forte quanto os já clássicos 'Anjos e Demônios' e 'O Código da Vinci', e compensa, em certa medida, a decepção causada pelo seu antecessor, 'O Símbolo Perdido'. Baseado em 'A Divina Comédia', de Dante, o romance traz o protagonista lutando contra um adversário assustador e enfrentando um enigma engenhoso que o arrasta para uma clássica paisagem de arte, passagens secretas e ciência futurística.
7º 1889, Laurentino Gomes




















O jornalista Laurentino Gomes fecha, com este livro, a trilogia iniciada com '1808', até hoje um dos livros mais vendidos do Brasil. Em ritmo ágil e com linguagem acessível, o autor narra os acontecimentos que levaram à Proclamação da República, em 15 de novembro de 1889. 
8º Féerica, Carolina Munhóz



















Em seu terceiro livro, Carolina Munhóz nos apresenta a fada Violet Lashian, que deseja ser famosa em seu mundo, mas é desprezada pelas fadas em uma sociedade marcada pela padronização. Certamente o romance mais maduro da autora, 'Feérica' apresenta ao leitor os bastidores dos reality shows e do mundo da fama, com todo o seu glamour e desencanto misturados. É um livro que já renova o que Carolina vem fazendo desde o seu livro de estreia, 'A Fada', que é reiventar o universo das fadas, acrescentando-lhe riqueza, beleza e dimensão. 
9º A Noite Maldita - Crônicas do Fim do Mundo, André Vianco



















Definido pelo próprio autor como o melhor livro de sua carreira, 'Noite Maldita' narra uma história alucinante. Quando metade dos seres humanos adormece e desperta em seguida com uma sede incontrolável de sangue, dando início a uma guerra épica entre humanos e vampiros. Ambientado em diversas cidades do Brasil, é um livro assustador, sem deixar de ser profundamente humano e emocionante. 
10º Destrua Este Diário, Keri Smith


















Com o intuito de questionar convenções e a forma como lidamos com objetos a ilustradora canadense Keri Smith nos convida a rasgar páginas, rabiscar, pintar fora das linhas, manchar e até mesmo levar o livro para o banho. Sem dúvida alguma, trata-se de um trabalho interessante e inovador, e que nos leva à reflexão em um mundo onde até o pensamento está se tornando algo mecanizado.

Fonte: iBahia

terça-feira, 26 de novembro de 2013

Edital SEDAC nº 15/2013 - DATA DE PRAZO PRORROGADA

O Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas do RS informa que o Edital SEDAC nº 15/2013 - Mais Cultura/Biblioteca Viva RS para Modernização de Bibliotecas Públicas Municipais do Estado do Rio Grande do Sul foi prorrogado até o dia 16 de janeiro de 2014.

Conforme o Edital SEDAC nº 15/2013, página nº 4, item 4.1, letra B, para habilitação como produtor cultural no Cadastro Estadual de Produtor Cultural (CEPC) junto à Secretaria de Estado da Cultura, foi prorrogado até o dia 09 de janeiro de 2014.

Vale lembrar que o Edital tem o objetivo de selecionar 50 (cinquenta) projetos de modernização de bibliotecas públicas municipais cadastradas junto ao Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas do Estado do Rio Grande do Sul, provenientes de municípios de até 10.000 (dez mil) habitantes.

Cada projeto selecionado receberá o valor de R$ R$ 20.000,00 (vinte mil reais) para 

Para mais informações, o Edital SEDAC nº 15/2013 está disponível no site da Pró-Cultura RS: http://www.procultura.rs.gov.br/index.php?menu=dccinf

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

#TáNoKit



O #TáNoKit volta trazendo a autobiografia de Ernersto Frederico Scheffel, confira.



Ernesto Frederico Scheffel acaba de concluir sua mais nova obra. Não se trata de uma tela ou de uma composição musical. Dessa vez, o artista plástico de 86 anos oferece ao público a história da própria vida. Scheffel por ele mesmo é sua autobiografia, trabalho gigantesco e minucioso que levou mais de quatro anos para ser concretizado.

Ao final de seu esforço, Scheffel não esconde a satisfação e certa ansiedade. Quer ver o livro circulando. Mas também há outro sentimento. “Gostaria de voltar à minha casa.” Ele se refere ao lar na região da Toscana, Itália, onde vive desde 1996. Isso porque passou os últimos dois anos em Novo Hamburgo, justamente para trabalhar na conclusão do seu livro.

O esforço se traduz em 386 páginas em cores, editadas a partir de cerca de 250 folhas escritas a mão pelo próprio Scheffel. O manuscrito foi extraído de um material muito maior: mais de duas mil páginas de lembranças de sua trajetória, reflexões sobre seu processo artístico.

Fonte do texto


O kit com a obra de Scheffel já pode ser retirado conosco aqui do SEBP, por todos os municípios devidamente cadastrados no nosso sistema, mediante a apresentação de ofício.

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Google derrota autores em ação contra biblioteca online

O Google venceu, na semana passada, um longo processo aberto por escritores e editoras que o acusavam de copiar, sem permissão, milhões de livros para sua biblioteca online. O juiz Denny Chin, de Manhattan, aceitou o argumento da empresa de que a digitalização de mais de 20 milhões de livros para a ferramenta Google Books e a disponibilização de trechos dos textos online constituía “fair use” [algo como uso justo, ou aceitável] sob a lei de direitos autorais dos EUA. Se sobreviver a uma esperada apelação, a decisão permitirá que o Google continue a expandir sua biblioteca – que, de acordo com a companhia, ajuda os leitores a ter acesso a livros que não encontrariam em outro lugar.
O juiz afirmou que a digitalização dos livros facilita a vida de estudantes, professores, pesquisadores e do público em geral, enquanto mantém uma “consideração respeitosa” pelos direitos dos autores. Ele acredita que a iniciativa do Google é “transformadora”, dando aos livros um novo sentido, e deve impulsionar as vendas, e não prejudicá-las. Chin ressaltou ainda que a empresa tomou as medidas necessárias para evitar que as pessoas tenham acesso às cópias completas dos livros. “Na minha opinião, o Google Books tem benefícios públicos significativos. De fato, toda a sociedade se beneficia”, completou.

Vida nova a livros esquecidos

Paul Aiken, diretor executivo do sindicato dos autores dos EUA – instituição que abriu o processo, em 2005 – afirmou que o grupo ficou desapontado com a decisão e que planeja apelar. “O Google fez edições digitais sem autorização de quase toda a valiosa literatura mundial protegida por direitos autorais, e lucra com a exposição destes trabalhos. Tal digitalização de massa e exploração excede os limites da defesa dofair use”, declarou.
O Google deu início à biblioteca online em 2004 depois de chegar a acordos com grandes bibliotecas de pesquisa para digitalizar obras atuais e esgotadas. Entre as parceiras do projeto estão as bibliotecas das universidades de Harvard, Oxford, Stanford, Universidade da California, Universidade do Michigan e a Biblioteca Pública de Nova York. Segundo o juiz, a digitalização deu “vida nova” a livros esgotados e antigos que “estavam esquecidos” nos cantos das bibliotecas.

Fonte

terça-feira, 19 de novembro de 2013

Luís Augusto Fischer: A Feira e o patrono

Quantas vezes fui chamado a falar da Feira, no último mês? Em quantas fotos apareci, ao lado de leitores entusiasmados e visitantes felizes? Quantos passos dei pelas alamedas da Praça da Alfândega? Perdi todas essas contas. Aliás, não fiz nenhuma dessa contas. Desde que recebi a honrosa designação para ser o patrono da edição 59 da Feira do Livro de Porto Alegre, vivi uma experiência vertical, afetuosa, envolvente. E me dei conta de umas quantas coisas.
Nossa Feira é um evento sem inimigos. Todos gostam dela, fazem questão de que ela exista, ainda que não sejam exatamente leitores regulares. A existência dela, a cada ano, de certa forma organiza nossa vida na cidade – e não é exagero pensar que ela tem sido pivô da revitalização do Centro, naquele entorno. Nossa Feira ocorre na primavera, como um festival de colheita: não nos abaixamos para tirar da terra um fruto amadurecido que sobreviveu ao inverno, mas fazemos algo parecido – expomos, manuseamos, compramos livros, um dos frutos sublimes que a humanidade inventou em sua sofrida caminhada. Nossa Feira é aberta, sem restrições a gente ou a gêneros de livros: sua melhor vocação é a universalidade, que combina com a cidade democrática.
Nossa Feira, aliás, representa vivamente a cidade. Do que gostamos numa cidade? Da convivência, assim como da liberdade individual. De flanar pelas ruas e parques, assim como de sentar para ler, tomar um café, pensar na vida. Da sombra das árvores, tanto quanto do sol amigo. Tudo isso a Feira nos proporciona, diretamente, na carne e na alma. (E imaginar que tive a honra de representar tudo isso...)
Me dei conta, nesses intensos dias, que o patrono herda o gosto, a simpatia e mesmo o amor que as gentes dedicam à Feira. Não se trata da consagração deste indivíduo que aqui escreve: é a virtude de uma cidade que vê no livro um elemento vital, e que uma vez por ano refaz o trajeto, a seu modo mítico, de celebrar sua existência, na praça, para todos. Muito obrigado.

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Com homenagem a xerife, cerimônia das rosas encerra Feira do Livro

Não era mais o sino tocado desde os anos 1970 pelo xerife Júlio La Porta, e sim um bom número de sinetas marcando o encerramento da 59ª Feira do Livro de Porto Alegre, na noite deste domingo. Uma coisa, contudo, não mudou: o ar entre alegre e melancólico com que a procissão de encerramento percorreu os corredores da Praça da Alfândega ao som de "Está Chegando a Hora".
A cerimônia começou às 20h30min, na Área Infantil e Juvenil do evento. Com o patrono Luis Augusto Fischer à frente, secundado por um duo de acordeão e violão e escoltado por atores que haviam comandando as horas do conto no setor dedicado às crianças e aos adolescentes, a procissão partiu sem pressa.
Ao longo da caminhada, integrantes da Câmara Rio-grandense do Livro (CRL), o patrono, personalidades como o ex-governador Olívio Dutra e atores como Jairo Klein, que encarnava um afável Fernando Pessoa, distribuíam rosas para livreiros e frequentadores.
A Feira termina com a maioria dos livreiros com uma impressão positiva sobre os 17 dias do evento. A maioria dos expositores crê, mesmo sem o balanço geral, que será divulgado apenas hoje pela CRL, que esta edição da Feira deve registrar um aumento significativo nas vendas de livros – ao menos na Área Geral. A Área Infantil e Juvenil, reduzida e realocada na Avenida Sepúlveda, talvez registre uma queda nas vendas, mas alguns livreiros já apostam que o fato de o setor dos pequenos ter ficado na mais próximo à Área Geral pode ter sido benéfico para esta última, dado que este ano os pais circularam mais pelo setor "adulto" com seus filhos.

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Armazém de Histórias Ambulantes promove troca de postais com textos

O local escolhido para a atividade paralela à Feira foi o Parque da Redenção

Sabe aquelas fotos e textos que estão guardados na gaveta e nunca saem de lá? No Armazém de Histórias Ambulantes, que será realizado nesta quinta-feira, a partir das 14h30min, eles poderão ganhar uma utilidade. O local escolhido para a atividade paralela à Feira não foi a Praça da Alfândega, mas o Parque da Redenção, junto ao chafariz central.
Lá, estará uma carrocinha com diversas imagens transformadas em postais e com textos escritos na hora ou saídos do fundo do baú. A ideia é que sejam trocados por outras fotos que "não deram certo" e por textos guardados em envelopes fechados.
– A moeda é o escambo mesmo. Muitas fotos são estranhas e curiosas, e a intenção é instigar a imaginação das pessoas. Cada um pode dar um valor de sentido à imagem – diz a coordenadora do projeto, a artista plástica Ana Flávia Baldisserotto.
O acervo já conta com 500 fotos e 100 textos, mas a intenção é manter uma rotatividade, principalmente dos escritos. O projeto existe desde 2007 e, neste ano, ganhou a parceria do Atelier Livre da Prefeitura de Porto Alegre.



quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Tu Frankenstein 2: uma noite de terror na Feira do Livro

No ano de 1816, marcado por uma série de intempéries climáticas na Europa (teria chovido por incríveis 130 dias consecutivos), alguns amigos aproveitavam o verão em uma casa em Genebra, na Suíça. Como o tempo não permitia atividades externas, o grupo encontrou passatempo em um desafio: quem seria capaz de contar a história mais assustadora? Bastaria dizer que, entre os presentes, estava ninguém menos que Lord Byron. Assim, não é de se espantar que da brincadeira tenha nascido a história de Frankenstein, criada pela então jovem Mary Shelley.
Um pouco em forma de homenagem ao episódio, a experiência será agora repetida em Porto Alegre: um grupo de escritores vai passar a noite na Biblioteca Pública do Estado - atualmente fechada ao público para reforma - escrevendo contos de terror. Essa é uma das atividades do projeto Tu Frankenstein 2, que realiza, neste sábado e domingo, debates, oficinas literárias e uma série de apresentações de contos de gelar o sangue. A programação foi construída em parceria com o Fantaspoa e com a Odisseia de Literatura Fantástica de Porto Alegre.
Na noite de sábado, 17 autores de diversos países se dirigirão ao antigo prédio da esquina das ruas Riachuelo e General Câmara, de onde só sairão quando o sol nascer no dia seguinte. Após um breve reconhecimento dos corredores do edifício, serão encaminhados ao segundo piso, onde cada escritor irá se dedicar a escrever uma história aterrorizante. O resultado da experiência será publicado no ano que vem pela Editora Dublinense.
Segundo um dos curadores do Tu Frankenstein 2, Duda Falcão, cada participante terá liberdade para criar conforme suas preferências - sejam monstros, zumbis ou vampiros. A única exigência que é a biblioteca, de algum modo, participe da história. “Pode ser a partir de um livro encontrado em uma prateleira escondida no subsolo, ou em túneis que saem do prédio e dão em algum ponto da cidade, isso é bem livre”, brinca o autor de Mausoléu, coleção de contos cujos personagens são lobisomens, alienígenas e bruxas, entre outros tipos clássicos do terror.
A luz na biblioteca, adianta Falcão, será reduzida, para dar ao ambiente um clima lúgubre. Os escritores poderão circular e interagir; é possível que algumas histórias acabem se cruzando. Sobre o que ele próprio pretende criar, o público pode esperar algo com “monstros ou criaturas bizarras”, conta o fã de H.P. Lovecraft, escritor norte-americano que revolucionou o gênero de terror, atribuindo-lhe elementos fantásticos. Para o público, o resultado será visto no ano que vem, com o lançamento do livro.

terça-feira, 12 de novembro de 2013

Conheça o Jornal Cândido da Biblioteca Pública do Paraná

Dedicado totalmente a literatura, o jornal Cândido trás, informações sobre livros, bibliotecas, prêmios literários e tudo que envolve o mundo da leitura. A diversidade literária não está apenas no circuito mais conhecido do Sudeste do Brasil. Ela também se encontra em outros centros do país. Ao produzir reportagens sobre escritores e projetos literários de dez grandes cidades brasileiras, o Cândido confirmou aquilo que nosso próprio mercado editorial vem mostrando há algumas décadas: a produção de prosa e poesia aumentou, há muitos jovens autores surgindo e encontrando mais facilidade para publicar, seja por meio de mecanismos ofertados pelo Estado, como concursos e editais, ou por iniciativa própria, já que a autopublicação se tornou uma saída viável para muitos escritores.

O Cândido conta com edições onlines que podem ser acessadas aqui. E também conta com edições impressas que podem ser solicitadas pelo email  imprensa@bpp.pr.gov.br


quinta-feira, 7 de novembro de 2013

OFICINA DE NATAL DA BIBLIOTECA LUCILIA MINSSEM



BIBLIOTECA LUCILIA MINSSEN PROMOVE




OFICINA DE NATAL

· CONFECÇÃO DE PERSONAGENS NATALINOS

· CONFECÇÃO DA HISTÓRIA ”BRINQUEDOS FALANTES “

TURMA A : 22/11/2013 sexta-feira das 18h às 20h

TURMA B : 23/11/2013 sábado das 16h às 18h

LOCAL : Biblioteca Lucilia Minssen

CASA DE CULTURA MARIO QUINTANA

VALOR : R$ 30.00

· MATERIAL :

· 15 palitos de churrasquinho

· Pedaços de E.V.A de várias cores (principalmente verde,branco ,vermelho e pele bege

· COLA QUENTE

· TESOURA BOA

· CANETA DE RETRO PRETA







*COM CERTIFICADO DE PARTICIPAÇÃO