quarta-feira, 24 de julho de 2013

Conheça a Fundação Dorina Nowill

A Fundação Dorina Nowill para Cegos produz livros em braille, falados e digitais acessíveis e os distribui gratuitamente para pessoas com deficiência visual e a mais de 1.400 escolas, associações, bibliotecas e organizações que os atendem em todo o País. Sua missão facilitar a inclusão social de pessoas com deficiência visual, respeitando as necessidades individuais e sociais.

A fundação também conta com serviços especializados. Os Serviços Especializados da Fundação Dorina Nowill para Cegos são gratuitos e têm como objetivo oferecer, à pessoa com deficiência visual de todas as faixas etárias, tratamento adequado às suas necessidades, proporcionando condições para um desenvolvimento pleno, de acordo com seu potencial individual e suas condições sociais, educacionais e econômicas, visando a sua inclusão social.
O trabalho é desenvolvido com equipe interdisciplinar composta por profissionais das áreas de: Serviço Social, Psicologia, Pedagogia, Fisioterapia, Professores de Orientação e Mobilidade, Terapia Ocupacional, Ortóptica e Oftalmologia.

Quem foi Dorina de Gouvêa Nowill.

Nascida em São Paulo no dia 28 de maio de 1919, Dorina ficou cega aos 17 anos vítima de uma enfermidade não diagnosticada. Percebendo, naquela época, a carência de livros em braille no Brasil, criou, com a participação de outras normalistas, a então Fundação para o Livro do Cego no Brasil, que iniciou suas atividades em 11 de março de 1946.
Dorina de Gouvêa Nowill especializou-se em educação de cegos no Teacher´s College da Universidade de Columbia, em New York - EUA. Naquela ocasião, participou de uma reunião com a Diretoria da Kellog's Foundation, expôs o problema da falta de livros em braille para cegos brasileiros e da necessidade de se conseguir uma imprensa braille para a Fundação que tinha sido criada no Brasil. Em 1948, a Fundação para o Livro do Cego no Brasil recebeu da Kellog's Foundation e da American Foundation for Overseas Blind uma imprensa braille completa com maquinários, papel e outros materiais.

Faleceu em 29 de agosto de 2010, aos 91 anos de idade. Deixou ao Brasil e ao mundo uma instituição reconhecida pela qualidade de seus livros acessíveis e serviços de reabilitação. Deixou à pessoa com deficiência visual a oportunidade de viver com dignidade e às pessoas que enxergam uma lição de vida.

Para saber mais sobre a fundação visite o site: http://www.fundacaodorina.org.br/


Nenhum comentário:

Postar um comentário