quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

2011 na CLL: A Biblioteca Pública Municipal Josué Guimarães


O ano foi de conquista para a BibliotecaPública Municipal Josué Guimarães. Em dezembro, a instituição foi agraciada com o prêmio TOP OF MIND, na categoria Biblioteca Pública. Otroféu, ganho juntamente com a BibliotecaPública do Estado, veio prestar reconhecimento para o local, que se empenha emfornecer a sociedade atividades diversas e novidades em sua atuação. Abaixo, conheça alguns exemplos dos feitos da biblioteca realizados no ano de 2011.


Confira nos links as notícias no arquivo de nosso blog.

Braskem doa livros para Biblioteca Pública Josué Guimarães


O ano começou bem. Já de início, a biblioteca recebeu umpresente. No mês de abril, foram adicionados ao acervo 25 novos títulos doados pelaBrasken.

Oficinas Literárias nos espaços da biblioteca


O centro de leitura também serviu de local para o desenvolvimento dediversas oficinas relacionadas com a escrita. Oficina do Livro, Oficina daLiteratura Infantil, Oficina da Redação Literária e Oficina de Prosa, foramalguns dos eventos que marcaram presença. Nas oportunidades, o público teve achance única de dialogar com escritores como Diego Petrarca, Ronald Augusto, CláudiaTajes, Paulo Tedesco e Christiana Dias.



Em agosto, a biblioteca completou duas décadas e meia devida com o nome que hoje leva e com sua localização sediada no Centro Municipal da Cultura.Porém, de formas diferentes, mesmo sem sabermos quando foi criada, desde 1955 jáhá informações sobre o seu funcionamento.



Em setembro, foi realizada a 10ª Feira de Trocas de Livrosde Porto Alegre. O evento promovido pela biblioteca acontece todos os anos. É realizado tradicionalmente na Redenção, em frente ao Largo doExpedicionário. Cerca de 10 mil pessoas participaram da edição.


Durante o ano, um evento em especial mudou a rotina doscorredores silenciosos da biblioteca. É o projeto + Que Prosa. Diversosescritores conversaram com o público nas edições deste ano. Entre eles, estão:Marcos de Menezes, Luís Augusto Fischer, Marcel Cistro, Cláudio Moreno, DanielGalera e Antônio Xerxenesky.

Novamente final do ano, o acervo recebeu mais um reforço. Em tornode 800 livros que foram inscritos para o Prêmio Açorianos de Literatura de 2011somaram-se ao catálogo.

Os leitores podem já se preparar. No ano de 2012, muitas leituras a mais os esperam na Bilioteca Municipal Josué Guimarães. Bom proveito.

YouTube lança serviço exclusivo para escolas



O YouTube lança uma ferramenta, o YouTube for Schools, que ajuda professores e estudantes no aprendizado. O portal reúne vídeos educativos de temas como história e matemática e filtra conteúdos que são considerados motivos de distração dos alunos.

Ele foi criado por causa da demanda de professores e escolas dos Estado Unidos. "O YouTube para as escolas é uma solução técnica para permitir que as escolas que possuem acesso restrito ao YouTube acessem", diz Angela Lin, chefe do YouTube EDU.

Para ajudar a equilibrar o conteúdo, o YouTube trabalhou com professores e 600 organizações, como o Smithsonian e TED para selecionar e cura do conteúdo disponível. Há também mais de 400 playlists classificadas por disciplinas.

Os professores podem sugerir novas listas e comentários para ajudar a integrar ainda mais o YouTube em sala de aula.

Fonte: Adnews (o link e a imagem não fazem parte da notícia original)
 

Paraná lança Sistema de Bibliotecas Escolares



A Secretaria da Educação lançou nesta semana o Sistema Estadual de Bibliotecas Escolares. Neste início de atividades, o sistema foi implantado em 32 escolas dos municípios de menor Índice de Desenvolvimento Humano do Estado. Para ampliar o alcance da iniciativa, a secretaria selecionou uma escola de cada um dos 32 Núcleos Regionais de Educação. A proposta é expandir o projeto, gradativamente, para todo o estado. As bibliotecas informatizadas permitem que estudantes, professores, funcionários e pais de alunos consultem o acervo literário disponível. O sistema de empréstimo de livros do acervo do sistema será digital e acessível a toda a comunidade.

"Aposente" o Google: conheça alguns buscadores diferentes

"Aposente" o Google: conheça alguns buscadores diferentes: Opções oferecem ferramentas e resultados diferentes, alguns até mais interativos. Experimente!


Toda vez que você faz uma busca, deve, certamente, recorrer ao Google. Mas ele não é único no mundo. Separamos dois outros buscadores com funções super legais e diferentes, veja só.

O primeiro site é este aqui. Ao buscar por algum termo, essa aba aparecerá para você. Repare nas bolinhas coloridas. Elas separam o assunto por categorias, que, se forem clicadas, já fazem outra pesquisa automática, adicionando o termo à sua busca anterior. São espécies de filtros que vão afunilando a pesquisa. Aqui, procuramos por "olhar digital". Repare os termos nas bolinhas: programas, fotografia, tecnologia... são, na verdade, tags daquilo que foi encontrado.

Se você deixar seu mouse em cima das cores, esses dois botões vão aparecer. Aqui, você pode esconder resultados de determinado tipo ou ver só os que tiverem relação com essa categoria.

esse outro site aqui tem uma outra função bem interessante. Além de fazer a busca, ele monta os resultados em uma apresentação multimídia para você com fotos importantes e bastante conteúdo. E, olha só que bacana; há uma narração em tempo real do conteúdo pesquisado. É em inglês, mas dá pra acompanhar o que o narrador fala pelas legendas.

Pesquisamos por "Brazil", com Z pois o site é todo em inglês. Dá pra ver a barra de tempo, onde você pode escolher a parte da apresentação que quiser. Esses outros 4 botões aí do lado servem para ver conteúdos relacionados, aumentar ou diminuir o volume, ligar e desligar legendas e deixar a tela cheia, só com o vídeo. Por falar em conteúdo relacionado, na parte de baixo do vídeo, você encontra algumas apresentações de assuntos semelhantes, como, no caso do nosso exemplo, "Brasil colonial".

E aí, gostou das dicas desta semana? Agora você pode deixar o Google um pouco de lado e usar esses buscadores para diversificar suas pesquisas. Bom, os links você já sabe. Estão junto desta matéria. Acesse e fique por dentro!

Links da Matéria


Osório: horário de Funcionamento da Biblioteca Pública para o final do ano de 2011 e verão 2012

Horário de Funcionamento da Biblioteca Pública para o final do ano de 2011 e verão 2012:

21 a 23 – fechará às 18h e 30 min

24/12 – Sábado estará fechada

28 a 30/12 – fechará às18h 30 min

31/12 – Sábado estará fechada

Horário de Verão:

A partir do 02/01/2012 até dia05/03/2012 fechará às 18h e 30 min e aos sábados.

A direção da Biblioteca Pública agradece a compreensão de todos.

Secretaria da Cultura participa do Programa Verão Numa Boa


A cidade de Tramandaí recebeu, na manhã do último sábado (17), a 11ª Interiorização do Governo do Estado. Durante a reunião, diversas secretarias apresentaram seus projetos futuros e os já realizados na região, entre elas a Secretaria de Estado da Cultura, com a presença do secretário Adjunto, Jéferson Assumção.

Na parte da tarde, foi lançado oficialmente pelo governador o programa Verão Numa Boa, na cidade de Capão da Canoa. O projeto abre oficialmente as Casas de Governo, sediadas em Capão da Canoa e Balneário Cassino, onde serão oferecidas informações turísticas, acesso à internet, serviços do Tudo Fácil, contando também com postos da Brigada Militar, da Polícia Civil, do Instituto Geral de Perícia (IGP), da Defesa Civil, plantões do Procon, minibiblioteca da Corag e sedes do Banrisul e Corsan.



A Secretaria de Estado da Cultura participa em parceria com a CORSAN do projeto Estação das águas, com foco na cultura e no lazer. Além disto serão instalados Pontos de Leitura, em parceria com as prefeituras, onde tendas – distribuídas em vinte localidades entre o litoral, costa doce e balneários – disponibilizarão 150 livros para empréstimo aos frequentadores da região.

Para mais informações, acesse o site: www.veraonumaboa.rs.gov.br

Leituras radicais

Por Vanessa Barbara


Durante muito tempo, minha única frustração na vida foi não poder levar os livros comigo para o chuveiro, grudando-os com ventosas à parede do box e tentando virar a página com os dentes. Naquela época, não existiam livros infantis emborrachados e nem audiobooks (até hoje, a Bíblia narrada pelo Cid Moreira me desperta uma curiosidade sem fim).

Fato é que interromper um romance nunca é agradável, e por isso há quem tenha o desastroso hábito de ler pendurado nas alças dos ônibus, ou mesmo enquanto anda — antes isso do que perder o ponto de descer, dizem. Eu mesma já fui vista plantada em plena calçada, nas últimas páginas de O Senhor dos Anéis, dando um passo e parando, outro passo e parando, e só não me sentei no meio-fio porque podiam me prender por perturbação da ordem pública. Há os que leem atravessando a rua e, quando a calçada está excessivamente cheia, fazem uma parada estratégica no canto de um prédio para terminar um capítulo.

Já li em cima do telhado, principalmente volumes de suspense e terror, sob a ameaça constante de quebrar uma telha e cair. Outra vez, instalei-me no beiral externo da praça Buenos Aires, ou seja, na rua, em busca dos últimos raios de sol daquela tarde, e li Elizabeth Costello. Ganhei uma moeda.

Os locais mais visados para a prática da leitura são a cama (abajur opcional), a poltrona, o banheiro, a mesa da cozinha, a praia e a sala de espera dos médicos. Alguns leem durante refeições solitárias, no cabeleireiro, no aeroporto, nos trens e nos parques. Há quem devore um volume inteiro enquanto espera um amigo atrasado, mesmo que de pé e procurando um facho de claridade em meio à penumbra.

Cresci numa família de gente que gosta de comer lendo (ou de ler comendo, uma das principais causas de obesidade em intelectuais), o que, se não preza pela sociabilidade em termos de interação familiar, ao menos pode render assuntos dos mais variados, sobretudo quando alguém acha algo engraçado e decide ler em voz alta. Meu sobrinho, do alto de seus 20 meses de idade, já demonstra um nítido comichão literário no decurso das refeições, quando costuma pedir para analisar os folhetos promocionais de supermercado e os cardápios de pizzarias.

Semana passada, o estudante paraense Diego Uchôa postou no Facebook esta foto de um gari lendo um livro dependurado no caminhão de lixo. Mais de 7 mil pessoas compartilharam a imagem, e, embora a maioria se limitasse a enaltecer a força de vontade essencial para vencer na vida, não é bem isso o que me vem à mente. Afinal, qual será o título da obra? Também me pego a pensar nesse braço esquerdo astutamente preso ao suporte do caminhão (ele deve ter prática no desporto radical) e na disponibilidade quase absoluta das duas mãos para o manejo do livro — como qualquer bom leitor também irá reparar, admirado.

É gente que aproveita qualquer brecha no cronograma para ler mais um trecho de um romance policial, nem que, para isso, tenha que o fazer dirigindo, com o livro sobre o volante. Ou enquanto pratica a equitação.

Pesquisando por aí, encontrei relatos de gente que lê enquanto passeia de bicicleta ou toca órgão na igreja — esta última, aliás, é uma ocorrência comum, já que os músicos são obrigados a escutar várias vezes o mesmo sermão nas missas e correm o risco de cochilar bem em cima do instrumento. Devo confessar que já levei um livro de bolso para ler num show de rock, enquanto a banda de abertura tocava, e se não me engano era um Dostoiévski (mas também podia ser um gibi do Cebolinha).

Nesses termos, ninguém supera a minha mãe, que leu um romance inteiro nas arquibancadas de um estádio de futebol. Foi num Juventus vs. Joinville, na rua Javari, pela Taça São Paulo de Futebol Junior de 1986. Os gols foram de Camus (contra), Duras e Dumas (de barriga).

* * * * *


Vanessa Barbara tem 29 anos, é jornalista e escritora. Publicou O livro amarelo do terminal (Cosac Naify, 2008, Prêmio Jabuti de Reportagem), O verão do Chibo (Alfaguara, 2008, em parceria com Emilio Fraia) e o infantil Endrigo, o escavador de umbigo (Ed. 34, 2011). É tradutora e preparadora da Companhia das Letras, cronista da Folha de S.Paulo e colaboradora da revista piauí. Ela contribui para o blog com uma coluna mensal.

Fonte: http://www.blogdacompanhia.com.br/2011/12/leituras-radicais/

Aprovado o PMLL

A manhã de hoje trouxe um motivo além da proximidade do Natal e do ano novo para comemorarmos: foi aprovado pelos vereadores o projeto que institui o Plano Municipal do Livro e da Literatura (PMLL) e que cria o Conselho Municipal do Livro e Literatura (CMLL).

Vereadora Fernanda Melchiona destacou o Grupo de Trabalho que elaborou o PMLL

Entre os objetivos principais do PMLL estão a democratização do acesso e o fomento à leitura, a formação de mediadores, a valorização da leitura e o apoio a criação e ao consumo de bens de leitura.

Parabéns a todos que se envolveram na elaboração do projeto e parabéns aos leitores de Porto Alegre, que ganham nessas últimas semanas do ano mais um motivo para festejar.



Outras notícias do PMLL:

Maximizem o acesso a informação: O que você faz para isto ocorrer?



Algo que provavelmente não seria necessário dizer, mas que vou ressaltar aqui é que nas últimas décadas o mercado mudou. Para os estudantes de biblioteconomia – das metrópoles – de hoje, provavelmente aquela biblioteca sem terminais de consulta – um computador antigo vale – e apenas com o uso de catálogos manuais possa parecer algo um pouco mais distante, mas até meados da década de 2000 isto era o padrão (hoje ainda existe bastante, mas perde para a automação).

Com a implantação dos recursos tecnológicos a literatura chega a dizer que surge uma diminuição, por parte das pessoas, em relação ao uso do meio tradicional, ou seja, a biblioteca (algo questionável), se cria maior expectativa devido a automação, principalmente se tomarmos em consideração a penetração do Google no mercado de buscas informacionais, e a biblioteca deixa de monopolizar o mercado informacional.

Ainda na literatura, o recomendável no âmbito do planejamento é avaliar, isto é, atribuir valor, julgar mérito, relevância e impacto das ações. Ainda diríamos que é necessário verificar a satisfação do cliente continuamente visando a maior qualidade e produtividade. Estamos falando de sobrevivência e a falta de recursos não pode ser colocada como desculpa.

Mas é isto que ocorre?

Não tenho medo em dizer que pouco mudou nos últimos se pensarmos na década de 1990 como parâmetro. Aliás, se pensar nos últimos 20 anos até ousaria dizer que estamos bem próximos muito próximos à relação com a informação que tínhamos entre os anos 900 e 1300, transformando este bem em privilégio para poucos.

Se a informação esteve cativa a divindade no passado, com a internet ela se torna mais acessível, algo que a sociedade da informação, mesmo focada na tecnologia, contribuiu muito. Mas engana-se aquele que pensa que a internet é o primeiro meio propenso a disseminar informação, a criar redes de distribuição do saber. Enciclopédias já faziam isto.

Facilitar o acesso a informação não é uma ideia dos dias atuais. Paul Outlet já pensava nisto com o uso de canais telégrafos e telefônicos. Já em relação em ciência e tecnologia, Vanner Bush, em 1945, já elencava os obstáculos no repasse deste tipo de informação: recursos humanos, instrumental de armazenamento e distribuição e arcabouço teórico da época.

É dentro deste contexto que questiono o que evoluímos nos últimos anos. Distribuir informação, facilitar o acesso são ideias que a internet permitiu ampliar, contudo, anteriores a este meio.

E o pior é que vejo catálogos automatizados de bibliotecas com as mesmas características dos catálogos manuais.

Em relação a esta afirmação acima, relato alguns pontos colocados por Moreno Barros no último Bibliocamp, que aconteceu em dezembro de 2011 no Rio de Janeiro: Sistemas de bibliotecas são fechados em si, a informação contida na maioria deles é inacessível pelos sistemas onde os usuários efetivamente buscam informação e não é possível que hoje em dia tenhamos que acessar a base de dados de uma biblioteca para chegar a uma determinada informação, isto é, achar o website da instituição mantenedora, da biblioteca e entender a lógica do catálogo. Ou seja, tudo é feito pensando naquele que já conhece a lógica institucional e não no público em geral, ou nos usuários potenciais.

Comecei o texto propositalmente com trechos de um livro sobre planejamento de bibliotecas para demonstrar que aquilo que repetimos como um mantra da dificuldade do fazer (vivemos chorando falta de recursos) não faz sentido. Se o seu catálogo é fechado para buscadores como o Google, crie um blog, replique o conteúdo, aproveite para adicionar informações que as normas de biblioteconomia não permitiriam ao catálogo oficial, faça seu trabalho, seu acervo aparecer e ser consultado e justifique sua existência. Recomendaria alguns aspectos das apresentações de Moreno Barros e de Fabiano Caruso no Bibliocamp acima citado.

A Biblioteca Nacional, por exemplo, parece estar acordando para isto, se comunicando melhor com seus usuários e possíveis usuários através de ferramentas sociais, digitalizando periódicos e criando um blog com os dados de catalogação destes títulos visando maximizar o acesso. Diria até que muito ocorre devido a visão mais aberta do atual presidente da instituição, Galeno Amorim, que possibilitou servidores porem em práticas ideias que antes não sairiam do papel, onde a finalidade é fazer a instituição aparecer. Porém, o que vejo é que diversas instituições não pensam assim, e o pior, muitos bibliotecários não pensam assim e buscam proteger seus dados de catalogação, de indexação no ambiente da biblioteca! Proteger para que? Só se for para que os recursos disponibilizados a biblioteca se tornem cada vez mais escassos.

Quanto às apresentações citadas, de Moreno e de Caruso, estas podem ser acessadas através do blog Bibliotecários sem Fronteiras em http://bsf.org.br/2011/12/15/bibliocamp-rio-de-janeiro-slides-das-apresentacoes/ . Pode ser que as apresentações em si não sejam explicativas, assim, busquem contactar os autores para extraírem deles as ideias.

A intensão deste texto não é criticar ninguém, mas alertar para a necessidade de mudar, de disponibilizar a informação, seu trabalho. Assim, aproveito para pedir que nos comentários vocês compartilhem aquilo que estão fazendo para mudar este cenário, para facilitar o acesso. Colabore!

Fonte: http://bibliotecno.com.br/?p=2163

São Paulo conclui informatização dos acervos de bibliotecas



Fonte: Prefeitura de São Paulo. Data: 20/12/2011.



A cidade de São Paulo conclui a informatização de todos os acervos das bibliotecas públicas da capital, que havia começado em 2005. Isto significa que, agora, a população pode consultar o acervo completo – 2,5 milhões – pela internet e verificar a disponibilidade dos livros. A busca pode ser feita neste site por meio do título, autor, assunto ou editora, nas bibliotecas que fazem parte do sistema, que é o maior do país.
Os cidadãos também passam a usar um cadastro único para emprestar livros de qualquer biblioteca. São, ao todo, 52 bibliotecas de bairro, mais a Mário de Andrade, a segunda maior do país, quatro bibliotecas do Centro Cultural São Paulo, 10 ônibus-biblioteca, uma biblioteca do Centro Cultural da Juventude Ruth Cardoso e 14 Pontos de Leitura. A cerimônia que marcou o encerramento da informatização dos acervos ocorreu ontem, na Biblioteca Alceu Amoroso, no bairro de Pinheiros.

Divulgação: Caça às palavras

Dicionários virtuais permitem pesquisas e traduções on-line; prefira os reconhecidos, para obter um resultado mais preciso

Paula Maria Prado / Agora - Revista da Hora

Transcrição com adaptações

Nem sempre é possível estar com um dicionário à mão. Mas, se o computador estiver ligado e contectado à internet, a questão está resolvida. Diversos sites oferecem dicionários virtuais com significados e ferramentas de tradução.

"Uso muito o Google Tradutor para tirar dúvidas sobre alguma palavra qu eu não sabia escrever corretamente ou para saber o seu significado", afirma o estudante Rodrigo Santos, 18 anos.

A administradora de vendas Jenny Simão, 23 anos, tira suas dúvidas no Urban Dictionary. "Ele traz gírias em inglês. Uso quando estou escrevendo algum texto na língua.", afirma. "Acho o dicionário impresso mais completo, mas, no trabalho, nem sempre temos um desses à mão", conta.

Além dos dicionários em português e dos que traduzem palavras do inglês, ainda há os específicos, como o de termos médicos e tecnológicos. Prefira os reconhecidos, para não correr o risco de cometer imprecisões.

Dicinários on-line


Traz os verbetes como no dicionário impresso. Também possibilita traduções do alemão, do espanhol, do francês, do inglês e do italiano para o português.


Da Academia Brasileira de Letras. É possível pesquisar apenas partes da palavra


Para quem quer descobrir os significados de gírias no inglês


Serviço do Google que traduz textos, sites e documentos inteiros. Ainda tem a ferramenta "Detectar idioma", que avisa em que língua o arquivo está


Traz as palavras usadas no inglês britânico e no americano. Ainda há informações sobre as gramáticas locais


Traduz kanji (ideogramas chineses usados pelos japoneses) para o inglês


Apresenta termos usados apenas no universo da tecnologia e da informática



Criado em 2007, ajuda a entender o que são algumas doenças



Além de traduzir para diversos idiomas, compara o texto traduzido com o original



Para quem fala espanhol. Traz o significado dos verbetes da língua


terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Dica de livro

"A vida não é a que a gente viveu, e sim a que a gente 
recorda, e como recorda para contá-la." 
Gabriel García Marquez


O trecho acima abre a obra que o SEBP recebeu na quinta-feira passada. São 150 exemplares de um livro deveras interessante sobre a obra de Gabriel García Marquez, importante nome da literatura latino-americana. A doação foi da Opus Assessoria e Promoções Artísticas Ltda., parceira nas doações para as bibliotecas públicas do estado.

Confira informações:

Sinopse - Dicionário Gabriel García Márquez - A Magia Literária da América - Luiz Coronel (organização)

O "Dicionário Gabriel García Márquez, a Magia Literária da América", quinto título da série dicionarizada que homenageia escritores de grande importância, uma iniciativa cultural do Grupo Záffari. O livro contém 1.019 verbetes apresentando trechos extraídos da extensa obra do escritor colombiano, organizados por palavras-chave e em ordem alfabética. Notas biográficas, levantamento fotográfico da vida de García Márquez e depoimentos de literatos sobre o autor complementam o conteúdo. Dentre os prefaciadores, encontram-se membros da Academia Brasileira de Letras. Sob coordenação do escritor e editor Luiz Coronel, o projeto é resultado da pesquisa de uma equipe de mestres, mestrandos e convidados especiais oriundos da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC/RS), Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Universidade de Passo Fundo (UPF) e Universidade de São Paulo (USP).
Fonte: http://www.skoob.com.br/livro/151966

Saiba mais sobre a iniciativa de obras dicionarizadas: http://lcoronel.wordpress.com/2011/02/13/recital-dicionarios/
Confira outros verbetes: http://lcoronel.wordpress.com/tag/gabriel-garcia-marquez/


Quer saber mais sobre o autor Gabriel García Marquez?




Divulgação IEL: Autor Presente

Retrospectiva IEL 2011 (I)
Janeiro: Lançamento do Projeto Autor Presente


    Com a presença do secretário de Estado da Cultura, Luiz Antonio de Assis Brasil, foi lançado 24 de janeiro o Projeto Autor Presente 2011, uma ação do Instituto Estadual do Livro (IEL) com participação da Secretaria de Estado da Educação. A iniciativa promove encontros e palestras com escritores em escolas da rede pública estadual de ensino.

    Resultados: Ao longo do ano, o Projeto Autor Presente 2011 teve a participação de 39 escritores e alcançou cerca de 20.000 alunos com 93 encontros em 48 municípios do estado.

    Futuro: A lista de escritores conta com mais de 100 nomes disponíveis e está aberta para receber mais escritores interessados em participar do Projeto em 2012. Mais informações estarão disponíveis no blog a partir de fevereiro: http://ielrs.blogspot.com/p/projeto-autor-presente.html .
 
_____________
Em tempo!

O Sistema Estadual de Bibliotecas e o Instituto Estadual do Livro serão parceiros no projeto Autor Presente. Maiores detalhes agora só em 2012 com as datas e informações sobre como participar da iniciativa. Fiquem ligados.

Mesa Redonda na Feira do Livro

Mais uma da categoria "fica para o registro".
Infelizmente as fotos que tiramos do evento realizado na Feira do Livro de Porto Alegre foram perdidas junto com a máquina digital, e com a correria de trabalho por conta do edital Biblioteca Viva RS, não consegui postar nada antes.
A Mesa Biblioteca Viva RS – Programa de Modernização de Bibliotecas Públicas no Estado do Rio Grande do Sul realizada no dia 12 de novembro, durante a 57ª Feira do Livro de Porto Alegre, na sala Leste do Santander Cultural foi de grande valia para a divulgação das atividades realizadas no interior do estado.
Os dois municípios que participaram: Arroio do Sal e São José do Norte, trouxeram realidades diferenciadas a respeito da implantação do programa de modernização da Fundação Biblioteca Nacional , Ministério da Cultura: Livro Aberto. 





Bibliotecária Sueli Thomazine, São José do Norte

À esquerda (na mesa) o bibliotecário Eduardo de Oliveira, Arroio do Sal. À direita, Rosana Vasques apresenta as iniciativas de modernização no Brasil e no RS.

Nora Lúcia Klingelsus, Secretária de Educação e Cultura de Arroio do Sal fala sobre as ações desenvolvidas no município
Participantes da mesa:
 
- Rosana de Lemos Vasques: Coordenadora do Sistema Estadual de Bibliotecas (SEBP) 

-Sueli Aparecida Thomazine: Aluna de pós-graduação do curso: Tecnologias da Informação e Comunicação aplicadas à Educação (TICEDU) pela UAB/FURG - Pólo São José do Norte Linha de atuação e pesquisa: Aplicação das TIC no processo ensino-aprendizagem, inclusão digital e incentivo à leitura, escrita e compreensão de textos através dos AVA - Ambientes virtuais de aprendizagem
Bibliotecária: Biblioteca Pública Delfina da Cunha - município de São José do Norte - RS. Desenvolve projetos de inclusão digital e incentivo à leitura
- Eduardo Meirelles de Oliveira: Bibliotecário, Biblioteca Pública  Doutor Clóvis Webber Rodrigues (Arroio do Sal).
- Nora Lúcia Machado Klingelsus: Secretária de Educação e Cultura de Arroio do Sal.

Confira a apresentação da bibliotecária Sueli Thomazine: 

CRB10: IV FÓRUM NACIONAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS E ESCOLA...

CRB10: IV FÓRUM NACIONAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS E ESCOLA...: IV Fórum Nacional de Bibliotecas Públicas e Escolares – Porto Alegre – 19 de dezembro de 2011 O IV Fórum Nacional de Bibliotecas Públic...

Biblioteca Pública Delfina da Cunha desvendando universos virtuais: Agradeço o convite e a oportunidade para palestrar...

Biblioteca Pública Delfina da Cunha desvendando universos virtuais: Agradeço o convite e a oportunidade para palestrar...: Agradeço o convite e a oportunidade para palestrar na 57ª Feira do Livro de Porto Alegre . Essas ocasiões são importantes porque abrem...

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

(E)ventos: Forum Nacional de Bibliotecas Públicas Escolares.

Ainda não parou de ventar na capital, mas por um lado os (E)ventos fortes parece que trazem boas novas. 

O Sistema de Bibliotecas do Rio Grande do Sul está com muitos planos para 2012. Nesse clima de vamos fazer acontecer muitas parcerias e contatos são consolidados a cada contato por telefone, e-mail, e a cada evento que a Coordenadora Rosana de Lemos Vasques faz questão de estar presente, mesmo que rapidamente. A idéia é que o SEBP/RS retome sua rotina de trabalho intensamente se fazendo sempre presente e buscando melhorias para as bibliotecas públicas do estado.

Hoje (19.12) no final da tarde, compareci junto à Coordenadora do SEBP, Rosana, no Forum Nacional de Bibliotecas Escolares, onde foi lançado o livro Biblioteca escolar: Presente!.
Organizadores:  Eliane Moro, Lizandra Estabel, Loiva Serafini e Uli Kaup

Mais informes sobre o livro e as programações: fone (51) 3232-2880; blog http://forumbibliotecasrs.wordpress.com; e e-mails fiscaletica@crb10.org.br ou crb10@crb10.org .br.
 
Coordenadora Rosana de Lemos Vasques com bibliotecário da equipe da Biblioteca Pública de Caxias do Sul, Cássio Immig.

Aliriane (Ali), estagiária do SEBP-RS recebendo os autógrafos do livro Bibliotecas Escolares: Presente!

Dica de livro

Apaixonada

apaixonada
apaixotudo
apaixoquase




DOIS EM UM
ALICE RUIZ
2008
Editora Iluminuras
São Paulo - SP

Acesse o site oficial da escritora e confira mais sobre sua vida e obra: http://www.aliceruiz.mpbnet.com.br

Retrospectiva Açorianos: 1995

Vencedor na categoria poesia: Palavra Mágica, de Ricardo Silvestrin

“A palavra e a coisa/jamais serão a mesma coisa”. O seguinte trecho de Ricardo Silvestrin define bem a direção que o poeta escolheu para se aventurar na obra Palavra Mágica (1994), seu quinto livro. Uma busca que se permitiu investigar a relação disforme e difícil que se constrói entre o poeta e o poema, sempre colocando a poesia em primeiro lugar, como se o escritor fosse apenas uma ponte da qual ela se utiliza para desembarcar em nossa realidade.

Porém, o livro não trata apenas da poesia em si. A obra se destaca também por ser multifacetada. O texto político, engraçado, irônico, filosófico e romântico estão presentes ao longo do livro, de maneira paralela. E é por meio de um tom confessional e de um vocabulário coloquial que tantos desdobramentos são sustentados pelas 95 páginas que compõe a publicação.
Segundo o escritor Donald Schüler, no prefácio do livro, “Os versos de Ricardo, desafiadores, nos obrigam a pensar no que fazemos e somos”, o que atribui a obra um poder de interferência e reflexão. Já o poeta Lêdo Ivo, em uma mensagem mandada para Silvestrin, chamou atenção para o talento do poeta, “uma palavra ao mesmo tempo precisa e borbulhante”.

Algumas dessas observações podem nos ser mais claras a partir de um dos poemas que formam o livro:

palavra não é coisa
que se diga
quem toma a palavra
pela coisa
diz palavra com palavra
mas não diz coisa com coisa
a palavra pode ser pesada
a coisa, leve
e vice-versa não é coisa alguma
a palavra coisa
não é a coisa palavra
palavra e coisa
jamais serão a mesma coisa

Ao lê-lo, temos a impressão de que quem nos fala é o próprio poema, sem nenhum intermediário. Segundo Alice Ruiz, isso não é uma tarefa fácil. “São muitos no caminho e poucos que chegaram, deixando dito o que tem que ser visto com essa humildade de se transformar em mero veículo. E não me venham dizer que isso é pouco ou que é fácil. Tem muita vaidade no ar atrapalhando o curso livre do rio das palavras/coisas”, escreveu a poeta curitibana na contracapa do livro. A escritora ainda deixou um recado: “Por isso, deixo uma praga: que a magia dessas palavras se espalhe logo por todo o Brasil. Sorte de quem as colher”. E há 16 anos o desejo de Alice vem se concretizando. Desde 1995, mais sete livros de poesia foram lançados pelo escritor, ampliando assim, a sua contagem de leitores.

Mais sobre o escritor:

Ricardo Silvestrin (Porto Alegre, 1963) também é professor e músico. Faz parte do grupo musical os poETS, juntamente com os também poetas Ronald Augusto e Alexandre Britto. Dá aulas no Curso de Formação Audiovisual da Unisinos (Universidade do Vale dos Sinos) e atualmente é diretor do IEL (Instituto Estadual do Livro). Ao todo, já publicou 14 livros.

Fonte: Coordenação do Livro e Leitura da Prefeitura Municipal de Porto Alegre

Dica de blog

A Diretoria de Cidadania Cultural está na rede também.

Acesso o blog e confira as novidades desse departamento da Cultura do RS:

http://cidadaniaculturalrs.blogspot.com


SEBP/RS online: fale com a gente!

Para agilizar o contato com as bibliotecas e com o público em geral, além do formulário Fale Conosco do blog, os emails  e telefones, a partir de hoje estaremos das 13h às 19h online na ferramenta de comunicação Gtalk, do Google. Para quem tem o Gtalk instalado é só adicionar o Sistema através do email: sebprs@gmail.com. Para quem não tem o Gtalk mas possui email do Google, é possível se conectar através do bate-papo de dentro do Gmail.

Bate-papo dentro do Gmail


 Acesse http://www.google.com/talk para fazer download do programa Gtalk.

Homenagem aos 45 anos da Biblioteca Pública Municipal João Palma da Silva



A Câmara Municipal de Canoas, atendendo o requerimento do Vereador Juarez Carlos Roy, homenageou a Biblioteca Pública Municipal João Palma da Silva, por seus quarenta e cinco anos de sua fundação. O evento ocorrerou no espaço reservado ao Grande Expediente da Sessão Ordinária no dia 13 de dezembro do corrente ano, às 18h15min, no Plenário da Câmara Municipal de Canoas (Rua Ipiranga, 123, 3º andar, Centro).

Fonte: Blog Biblioteca Pùblica de Canoas

Fórum debate bibliotecas escolares

ANO 117 Nº 79 - PORTO ALEGRE, DOMINGO, 18 DE DEZEMBRO DE 2011



Conselho Regional de Biblioteconomia (CRB-10), Grupo de Pesquisa Leia/Fabico/Ufrgs, Goethe Institut Porto Alegre e Instituto Federal do RS/Campus Porto Alegre promovem o IV Fórum Nacional de Bibliotecas Públicas Escolares. O encontro será dia 19/12, no teatro Dante Barone, da Assembleia Legislativa, na Capital.O evento prevê painéis, debates, relato de experiências e atividades paralelas, como exposição de trabalhos de bibliotecas escolares da Capital (Smed).

Na abertura, será abordada "A Presença das Bibliotecas Públicas e Escolares na Formação do Leitor", com Iara Neves (Fabico/Ufrgs), Nêmora Rodrigues (CFB) e Luiz Milanesi (ECA/USP). O painel "Biblioteca Escolar: presente!" reunirá Nêmora, Eliane Moro (DCI/Fabico/Ufrgs), Lizandra Estabel (IFRS/PoA), Loiva Serafini (FGMBE) e Uli Kaup (Goethe).

E outro tema será "Relatos de Experiências em Bibliotecas Escolares e Promoção da Leitura".

Um dos destaques do Fórum será o lançamento do livro "Biblioteca Escolar: presente!" (foto), que será distribuído aos participantes. Mais informes/inscrições: fone (51) 3232-2880; blog http://forumbibliotecasrs.wordpress.com; e e-mails fiscaletica@crb10.org.br ou crb10@crb10.org .br.

Fonte:  Grupo de Pesquisa LEIA: Fabico/UFRGS